segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

10º Jornada: Povoense 4 - 1 UDCB

Data: 14 Janeiro 2017, Sábado
Hora: 15H00
Local: Campo de Jogos 25 de Abril, Póvoa de S. Miguel
Tempo: Céu Limpo, 14ºC 




Onze Inicial:
José Cruz
Bruno Alvito
André Ramos (c)
Afonso Santos
David Carvalho
Mihai Gaal
Dinis Ferro
Iulian Toma
Fábio Acosta
Duarte Pelado
Artur Mira

Suplentes:

Daniel Raposo
João Pica
Diogo Ferro

Bruno Lampreia
Valdemar Moisão
Lixa

Treinador: Francisco Rosa

Resultado Final: 4 - 1 (Dinis Ferro)



A primeira parte praticamente iniciou-se com o golo da Póvoa num lance onde se ficou a pedir fora-de-jogo, o árbitro não assinalou nada e o golo foi válido. A nossa equipa não entrou bem e depois deste momento ficou ainda mais nervosa. Não se conseguiu organizar em campo e esta primeira parte foi de domínio da equipa da casa. A nossa equipa poderá também ter-se ressentido de algumas ausências importantes como André Pontes ou Bernardo Xavier, elementos que compõem o meio-campo da equipa do UDCB e que têm trabalhado bem em prol da equipa.



Ao intervalo o Mister Francisco Rosa tentou alterar o rumo dos acontecimentos realizando três substituições. Saíram Artur Mira, Fábio Acosta e David Carvalho e para os seus lugares entraram Diogo Ferro, Bruno Lampreia e João Pica.
Todavia a equipa nunca se encontrou devidamente e acabou por sofrer novo golo muito cedo. Passe longo nas costas da nossa defensiva e o jogador do Povoense só teve de desviar do Guarda-Redes.
Diogo Ferro, recém entrado ainda conseguiu dar um ar da sua graça ultrapassando dois elementos e desferindo um remate para defesa incompleta do guarda-redes do Povoense, com o seu irmão, Dinis Ferro, no local certo para reduzir a desvantagem.
A equipa ainda acreditou mas não era o nosso dia. O 3-1 surgiu num lance parecido ao 2-0 e o quarto e último golo surgiu após um chapéu ao José Cruz com João Pica, algo infeliz a cortar para dentro da baliza.


Melhor em Campo: Não houve um jogador que se destacasse dos demais. Toda a equipa quer individual quer colectivamente esteve bastante abaixo das expectativas.

Trio de Arbitragem (0-5): Nota 2, apenas foram 2 elementos da equipa de arbitragem sendo que o 3º elemento foi um membro afecto ao Povoense. Assim sendo nunca poderemos perceber se as decisões tomadas pelo fiscal, e foram algumas, foram honestas ou apenas para ajudar "o seu clube".

A próxima partida será no domingo com deslocação ao Sobral d'Adiça.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Assembleia de Freguesia - Campo dos Unidos

No passado dia 28 de Dezembro de 2016, realizou-se no Centro Cultural de Beringel uma Assembleia da Freguesia de Beringel, onde os eleitos do Partido Socialista apresentaram uma moção para que se investigue onde foram gastos os 500.000 euros do empréstimo concedido pelo Novo Banco. Nessa moção constava que “foi apresentada uma dívida do Município de Beja, contraída em 12 de Março de 2009, e aprovada em Assembleia Municipal em 15 de Dezembro de 2008, de 500.000 euros, empréstimo este contraído ao Novo Banco por um período de 20 anos, e que se destinou à construção dos campos sintéticos de Beringel e Salvada. Este empréstimo tem o visto do tribunal de contas com o n.º 139/09 de 12-03-2009. Do empréstimo concedido ainda faltam liquidar 340.277,81 euros.”

Visto que em Beringel não foi construído nenhum campo de futebol sintético, embora esse dinheiro tenha sido gasto, os eleitos do Partido Socialista na Assembleia de Freguesia apresentaram uma moção para ser enviada ao executivo da Câmara Municipal de Beja e ao Tribunal de Contas, de forma a que se investigue onde foi este dinheiro gasto, pois é o dinheiro de todos os contribuintes que foi gasto e onde o UNIÃO DESPORTIVO E CULTURAL BERINGELENSE ficou novamente a perder.

Esta moção teve apenas um voto contra, de um eleito da CDU, que salientou que votava contra, porque “já passou muito tempo, e agora é que querem saber” ao que o secretário da Junta de Freguesia respondeu, que “desde que este executivo está em funções, foi a primeira vez que esta divida veio discriminada no orçamento municipal, pelo que temos que defender a nossa vila, e as nossas associações, neste caso o UDCB”.
Assim, o UDCB congratula-se com esta decisão “quase” unânime de que se investigue onde foi parar o dinheiro que era para o NOSSO sintético.